sábado, 30 de junho de 2012

Feira Franca


Hoje a Casa do Arco esteve na Feira Franca em Abrantes, um acontecimento que apenas se realiza aos raros quintos sábados do mês. Aqui tudo era permitido vender, de produtos agrícolas a iguarias confeccionadas, de velharias a artesanato. Uns ficaram instalados no Jardim da República, outros na Praça Barão da Batalha e no Largo Ramiro Guedes. O dia começou frio entre nuvens ameaçadoras e sol fraco, as vendas também começaram tímidas, mais uma vez parecia que a sorte estava a passar ao lado, com o vizinho a vender licores à velocidade da luz. Mas algo mudou, a nossa banca começou a ser visitada e a vender consideravelmente bem. Da parte da tarde a azafama de pessoas acalmou e assim se manteve o resto do dia, coisa comum em Abrantes ao que parece! Valeu pelas vendas da manhã sendo o balanço muito positivo. Ganhou-se ânimo para continuar com novos produtos e refazer o stock dos mais procurados. Em Setembro e Dezembro haverá mais.  

Produtos apresentados:
Licores de morango, tângerina, abacaxi; Casca de laranja cristalizada; Sal Aromatizado e Sal Picante; Vinagre de Maçã; Picles e Cenouras Algarvias; Sweet Chili.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Carte D’or


Estou apaixonado por este gelado de caramelo... Só mesmo o meu maior pecado para me fazer sentir uma coisa destas por um doce! Mas confesso: em duas semanas já devorei 3 destes, praticamente sozinho. Aliás para tornar a coisa ainda mais pecaminosa acompanho com suspiro... OMG só de imaginar já estou a pensar se não devia fazer uma visita ao congelador assim às 4 da manhã como quem não quer a coisa.
Este tempo tem-me despertado uma vontade louca por gelados, até já pensei comprar uma máquina para fazê-los em casa, a pensar que era tipo bimby (meter tudo lá dentro e já está), mas parece que não é bem assim. Lá vou ter que continuar fiel à Carte D’or, é que são únicos.




quinta-feira, 28 de junho de 2012

Bill Granger


Já tinha falado de Bill Granger aqui, entretanto seguiram-se mais dois programas de culinária igualmente bons: Bill’s Holiday & Bill’s Food.
No primeiro de apenas sete episódios, Bill leva-nos numa viagem pela Austrália, ao norte tropical e exótico, ao clima ameno do sul, à orla costeira e ao deserto no centro do país. Em cada episódio ficamos a conhecer as características dos alimentos mais utilizados na Austrália e cerca de 40 receitas de pratos frescos, sazonais, alegres e simples. No segundo, a base das operações situa-se na casa de praia e a estética encontrada no ambiente marítimo. Bill mostra como cozinhar refeições simples, fáceis e deliciosas para cada ocasião, seja para entreter os amigos em grande estilo ou preparar uma refeição em família.
Confesso que me fartei de tirar apontamentos para um dia por em pratica.



quarta-feira, 27 de junho de 2012

What to Eat Now


O 24 kitchen é um canal de boas surpresas, quando menos se espera lá está um novo programa de culinária a começar. What to Eat Now – Summer é a novidade que se segue e agrada logo á primeira vista. Ao comando encontramos o muito estranho, mas carismático Valentine Warner, que viaja pela Inglaterra tradicional procurando os alimentos ideais para consumir no verão, dando sugestões de como tirar o máximo partido deles.
Há qualquer coisa que seduz de imediato nos programas ingleses, são as cenas campestres, as sugestões mais tradicionais, a comida rústica servida sem contenção, os alimentos frescos vindos diretamente da origem e um certo country way of life que muito me agrada. Serei sempre de opinião que um prato cheio de comida caseira é bem mais atrativo que qualquer prato gourmet.

video

Verão VS Inverno


Não gosto do verão, gosto do inverno, não gosto do dia, gosto mais da noite, não gosto do calor, suporto mais o frio. É assim que penso quando chegam estes dias insuportáveis que custam a sair de casa e se perde a disposição para tanta coisa.


Da horta


Este ano a horta teve mais sucessos que no anterior, desde abril que se colhem ervilhas, rabanetes, alfaces e espinafres, mas com o calor e a falta de chuva (a que caiu não foi suficiente) poucas coisas sobreviveram e algumas nem chegaram a crescer, há ainda muito para aprender e melhorar. 



segunda-feira, 25 de junho de 2012

Umbrella


O dia devia ter mais que 24 horas para ter tempo para tudo o que quero fazer, o único modo de consegui-lo era abolindo o encerramento dos estabelecimentos e instituições, passando tudo a funcionar em modo non stop, propagando-se o conceito de cidades que nunca dormem pelo mundo inteiro. Já imaginaram o que era a meio da noite poder tratar de um assunto em vez de se esperar pela manhã, já pensaram na quantidade de empregos que isso iria gerar!? A grande e insustentável desvantagem seria o desgaste dos recursos naturais que até se encontrarem soluções ecologicamente alternativas, levaria ao colapso e ao fim do planeta tal como o conhecemos!
Resta-me a minha visão cinematográfica que me faz pensar em mundos futuristas onde as cidades funcionam à noite e dormem de dia, não por mero comodismo, mas como solução para os avanços das alterações climáticas e a cada vez mais perigosidade do sol.
Já me questionei, quando chove usamos chapéu, mas quando faz sol e calor de 40ºC porque não usamos também? Acho sábio quando vejo aquelas velhotas com chapéu de chuva aberto em dias de muito calor, pode parecer estranho, mas devia ser prática implementada. Não se admirem se alguma vez me virem andar por aí de chapéu aberto em pleno Verão, mais que lançar moda estarei com uma visão no futuro e a pensar no bem de todos nós.

 Rihanna - Umbrella

domingo, 24 de junho de 2012

Ideias


Ideias é coisa que não me faltam, mas concretiza-las é que é sempre mais difícil, para além de que poucas vezes são bem aceites pelos outros. Quando uma pessoa se vê numa situação que tem que procurar fazer algo para subsistir, nem que seja seguir um rumo diferente da sua formação, primeiro que tudo tem que reconhecer os seus skills/aptidões, toda agente tem um talento, algo que é realmente bom, que pode ser cozinhar, jardinar, cantar, etc etc etc. Depois tem que ver a viabilidade da ideia, se vale a pena seguir com ela, se implica mais custos que ganhos e se existe publico e consumidores, é o chamado estudo de mercado. Só então de devem reunir as ferramentas para avançar.
Estas são apenas algumas ideias que vou tendo e acho que ao serem concretizadas teriam sucesso, pois apesar da crise, ainda existe poder de compra para certo tipo de produtos, mas lá está, tudo tem um lado positivo e um negativo:

* Como criar caracóis e cogumelos já está a ficar na berra, lembrei-me das rãs, nunca comi é certo, mas haverá coisa mais gourmet e mais chique que umas perninhas de rã? Penso que os chefs deste país não iriam perder a oportunidade e pagariam um bom dinheiro por este produto raro. Claro que o grande inconveniente seria o local de criação, um sítio impossível de se viver esta-se mesmo a ver. 

* Ainda no capitulo da alimentação, as árvores que temos em produção na Casa do Arco, são a laranjeira e a tília. Com as laranjas já se fez casca cristalizada e será feito licor, com a tília guardam-se as flores para chá. Lembrei-me se seria possível fazer licor de tília e pão de laranja... como tudo é biológico e feito com os métodos mais tradicionais, poderiam tornar-se produtos típicos da zona. 

* Anda por aí a moda dos workshops, toda a gente dá e toda a gente faz. Sushi, culinária, costura, eu sei lá, é preciso é ter um talento e saber usa-lo bem, se não os participantes sentir-se-ão defraudados. Dar um workshop é como dar uma aula e se for sobre um assunto que nos é familiar então estamos como peixe na água. Com a minha formação poderia dar artes decorativas, como já dei a adultos há uns anos atrás antes de fecharem os cursos noturnos, que eram gratuitos. Agora nos tempos da crise seria pouco sensato, pois implicaria o custo do workshop e dos materiais. Mas N sabe fazer pão, se tivéssemos um forno a lenha (também se pode fazer no forno de casa) porque não dar um workshop de padaria, em Lisboa seria um sucesso porque toda a gente sonha fazer pão em casa. O aspeto positivo dos workshops é que aparentemente não há legislação nem burocracia e uma pessoa pode dar o curso onde entender.

* Outra ideia e a que para já parece ter mais probabilidades de avançar é o artesanato. Criar uma figura icónica da vila onde moro, bijuterias com elementos naturais recolhidos no campo e na quinta, enfim as opções são milhentas, é só fazer experiências e ver a que resolta melhor. Mas tenho que me apressar, pois os novos artesãos estão a surgir no mercado que nem cogumelos à sombra.

sábado, 23 de junho de 2012

Projetos


As aulas terminaram na semana passada, já estou despachado das reuniões e este ano como não tive muitas horas não tenho tarefas para fazer na escola, daí já estar de férias. Não é que este ano a trabalhar em part time não possa considerar que estive numas semiférias, mas começar uma coisa e largar ou nem sequer começar por ter que ir para as aulas às vezes ocupa tanto tempo como se tivesse horário completo. A ajudar, muitas vezes chegava a casa esfomeado, cansado e com dores que iam do ombro à barriga, o que não me dava disposição para fazer fosse o que fosse o resto do dia. Para ajudar, desde a semana passada que entrei numa fase estranhíssima de adormecer no sofá à tarde e começou também a época de deitar sangue do nariz a qualquer momento (situação que já me levou ao hospital no ano passado). Tudo isto no final das contas resume-se a dias perdidos que não permitiram levar acabo alguns projetos e aprofundar os já começados.

Nos próximos tempos proponho-me a: 

1 – Com a falta de motivação e outros afazeres, desinteressei-me um bocado pelo mestrado, deixando 3 cadeiras para setembro. Como são trabalhos práticos e como não fui à maior parte das aulas estou um bocado à toa, por isso vou ter que pedir explicações a alguém para ver se me safo.

2- Continuar com a Casa do Arco, pedir o certificado HACCP para poder vender em lojas. Encarar com seriedade este projeto, pois ao que tudo indica o nosso futuro vai depender dele.

3 – Ajudar N nas feiras de antiguidades, outro projeto que tem mostrado resultados, mas como ocupa os fins de semana e dura todo o dia é menos tempo que tenho para fazer as minhas coisas.

4 – Com o desemprego como certo a aproximar-se, sim o par pedagógico de EVT acabou e vão milhares para a rua, vou mesmo ter que encontrar outra coisa para fazer até porque o subsidio não é eterno. Tenho várias ideias e experiências para por em pratica no âmbito do artesanato urbano, mas para isso preciso de tempo e disposição, coisas que me tem faltado.

Colombo


Algum tempo que não tinha uma sexta feira totalmente livre, mas tive que ir a Lisboa com N para tratar de um assunto pendente. O assunto resolveu-se depressa, mas como havia outra coisa meio combinada para depois das 20h tivemos que ficar a “fazer tempo”. Farto de ir sempre aos mesmos sítios e tendo ido a Lisboa no mês passado, foi um bocado patético estar na capital com a sensação que não havia nenhum sítio para visitar e nada verdadeiramente interessante para fazer. Já vou poucas vezes a Lisboa, já desisti de ir às lojas de decoração, os shoppings entretanto tornaram-se numa opção secundária e as feiras e mercados normalmente decorrem ao fim de semana, daí que a solução encontrada para uma sexta feira foi enfiarmo-nos no Colombo a tarde toda.
Loja acima, loja abaixo, lancha aqui, janta ali, acho que foi a ida a Lisboa mais mal aproveitada de sempre e de barriga cheia de Colombo não pretendo lá voltar nos próximos 200 anos. Valeu o regresso ao Bingo do Benfica... e até fiquei a dois números de fazer cartão cheio, deve ser a tal questão da sorte que passa sempre ao lado.


sexta-feira, 22 de junho de 2012

Mega Pic Nic


No sábado passado realizou-se mais um Mega Pic Nic do Continente e desta vez não entupiram a Avenida da Liberdade, mas encheram o Terreiro do Paço. Acho que este evento devia mudar de nome, de mega pic nic para “vamos à cidade mostrar às pessoas o que é uma quinta”. Estou no gozo, mas tenho a certeza que por lá passaram alguns milhares que não sabem de onde vêm os bifes ou que nunca viram uma vaca ao vivo.

 foto by pipoca

quinta-feira, 21 de junho de 2012

MQC


No sábado realizou-se finalmente a primeira edição deste ano do MercadoQuebra Costas. Não publicitei como de costume, porque depois de tantas vezes anunciado e adiado não quis agoirar. Pois a coisa esteve pra não acontecer, novamente por causa do tempo que desde meio da semana ameaçava chuva, no entanto a organização não receou e disse que ia haver mercado fizesse chuva ou sol. O fato é que a caminho de Coimbra choveu e temíamos que a viagem fosse em vão, mas surpreendentemente aguentou-se durante a amanhã e de tarde fez sol e um calor brutal.
Devia ser o dia das feiras e mercados em Coimbra, porque estava a decorrer o mercado biológico semanal e uma feira de trocas para crianças no jardim botânico, um muito concorrido mercado regional junto à igreja Santa Cruz, uma feira de velharias em redor da Sé Velha e o nosso mercado ali pelo meio na íngreme escadaria da rua Quebra Costas.
Público não faltou, estrangeiros eram aos magotes e até um casamento por ali passou, mas comprar e vender é que nada de significativo. Como balanço final do evento, devo dizer que foi um dia estafante, subir e descer aquelas escadas com caixas pesadas não lembra a niguém, confesso que depois de tanta expectativa esperava que tivesse corrido muito melhor e o fato de se pagar uma inscrição também não abonou muito. Veremos como correm os próximos mercados e feiras.



quarta-feira, 20 de junho de 2012

Ícones


Aqui estão alguns dos ícones do cinema e da moda do passado. Penso que a Lana Del Rey está a tentar tornar-se num, mas ainda vai ter que gadunhar um bocadinho... de qualquer forma, o vídeo está muito bom e o remix da música excelente.


Remix

Original

terça-feira, 19 de junho de 2012

Sandra Bullock


Na minha viagem de finalistas de secundário, 95/96, a Lloret Del Mar, lembro-me bem que durante o regresso de autocarro passaram o filme Speed, um fenómeno de bilheteira de 1994 que nunca me despertou interesse. Vim todo o caminho meio a dormitar e sempre que abria os olhos lá estava a parva da Sandra Bullock a conduzir o autocarro, e eu só pensava mas este filme é sempre a mesma coisa ou meteram no repeat e eu acordo sempre na mesma parte!? Foi desde essa altura que lhe fiquei com um pó, mas ainda fui ao cinema ver mais dois ou três filmes com ela para tentar perceber porque era considerada a nova namoradinha de Hollywood, mas não conseguia achar-lhe grande piada. Penso que deve ter começado aí a minha tendência para estar sempre do contra.
Muitos anos passaram, até que a vejo numa assentada só: num filme de suspense, num drama confuso e em duas comédias românticas super bem conseguidas. Não é que lhe passei a achar uma simpatia!? Tem graça... às vezes também mudo de opinião. 

 A Proposta (2009)


Coincidências e Premonições


Acredito em coincidências e premonições.... e há dias pródigos para essa força invisível se manifestar, não importa onde ou como, as palavras e as imagens sucedem-se como se os astros estivessem numa predisposição propicia a comunicarem conosco e nos enviarem avisos ou alertas que não devemos ignorar. Dito assim parece algo esotérico carregado de misticismo, difícil de levar a sério pelos mais sépticos, e eu sou um deles, mas neste tipo de assuntos eu acredito, pois já tive momentos que o comprovam.
Quantas e quantas vezes acabei de dizer uma palavra que logo no segundo seguinte é dita por alguém na televisão, quantas vezes pensei numa pessoa e nesse instante me cruzar com ela na rua, quantas vezes olhei para o telemóvel a ver se tinha mensagem e ela chegar nesse momento, quantas vezes antevi determinado assunto que se veio a concretizar... só não ganho o euromilhões porque não jogo e não acredito tanto na sorte.

Premonições (2007)

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Se


Se eu quisesse, se eu fosse mais aventureiro, se, se... este “se” tem sido uma constante na minha vida.
 

Past Tense


As minhas relações passadas pouco ou nada foram significativas, à exceção de uma, que apesar de curta foi marcante por ter sido a primeira e a mais longa até essa altura. Sempre fui de opinião que o que é passado pra trás fica e quanto mais longe da vista mais longe do coração. Defendo que isso do “ficamos amigos” é um bocado treta, porque há sempre uma das partes a quem custará mais ultrapassar a situação. Desde essa relação já se passaram sete anos, com muitas mensagens trocadas, muitas propostas feitas e momentos recordados. Durante este tempo tive apenas um encontro inesperado, num bar, ambos vivemos numa região pequena, estranho foi não ter acontecido mais vezes. Algum tempo que não tinha contato, mas pelo facebook vai-se sabendo tudo, para falar a verdade se não for por lá até me vou esquecendo que certas pessoas existem. Uma noite destas recebi uma mensagem, como quem diz “lembrei-me de ti”... Momento duplamente estranho porque poucos minutos antes recebi mensagem de outra pessoa que já não dizia nada há cerca de um ano, ainda pensei que fosse engano, mas pelos vistos não. Mas que raio terá acontecido naquele preciso momento! Terá todo o universo conspirado para que estas pessoas se lembrassem de mim ou andaram os astros a vasculhar no passado?


Rock Project feat Tina Arena - Never

I can't be with you again
don't remind me of the good times that we had
learn a lot from us instead
i never want these feelings to ever come again

you'll never here me crying
you'll never see me trying
to love you once again
your love is so past tense
Please don't tell me that you've changed
don't wanna here on how you've lost your evil ways
the one who's changed this time is me
and i wont go back to feeling helpless and deceived

you'll never here me crying
you'll never see me trying
to love you once again
your love is so past tense
you'll never here me crying
you'll never see me trying
to love you once again
your love is so past tense
your love
your love
to think you had me fooled every now and then
you had me believing that i was the reason that you left
but i wont fall back in love with you again
i don't even wanna be
your friend
oh no no

you'll never here me crying
you'll never see me trying
to love you once again
your love is so past tense
you'll never here me crying
you'll never see me trying
to love you once again
your love is so past tense
so past tense
your love is so past tense


domingo, 17 de junho de 2012

Sex Appeal


Videoclip bem conseguido tem que ter pelo menos um de dois ingredientes, senão os dois: contar uma história ou ter gente bonita. Para mim estes vídeos estão carregados de sex appeal, uns pelas caras lindas e cenas provocantes (sem roçarem a vulgaridade) e outros pela história e a belíssima realização. Algumas destas músicas já aqui referi como ideais para celebrar o verão, o que nunca é demais relembrar.

Florrie – I took a little Something

Mike Candys - People Hold On

Alex Gaudino - I'm In Love

Cee Lo Green - No One's Gonna Love You

Tim Berg – Seek Bromance

Reckless – The End

The Script – For the First Time

Goodwill & Hook N Sling - Take You Higher

Quinta do Bill – Vai e sê Feliz

sábado, 16 de junho de 2012

Florrie


Já tinha visto muitas vezes a campanha do perfume L’Elixir da Nina Ricci, mas nunca tinha prestado a devida atenção nem sequer tentado saber quem seria a cantora.


O David Pimenta do blog expressividade é jornalista na área de cultura e escreve talentosamente sobre música, daí que, quando faz alguma abordagem sobre algum artista que não conheço tenha a curiosidade de querer ouvir. Foi assim que percebi que a modelo que aparece na publicidade do perfume é também a cantora, que se chama Florrie, tem 23 anos, é inglesa e que o seu estilo musical vai muito além do mero Pink Pop que se pode ouvir em Sunday Girl.
Fiquei automaticamente apaixonado por umas quantas músicas mais dance e cheias de estilo. Por enquanto só lançou um EP, agora é esperar que saía um álbum.

Florrie - Sunday Girl

Florrie - Make your own rhythm with hoss intropia

Florrie - Give me Your Love

 

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Coca Cola

O novo anúncio da Coca-Cola mostra que as câmaras de segurança de todo o mundo não são apenas uma arma contra o crime: são uma fonte de imagens divertidas, insólitas, cómicas e ternurentas. Roubos de beijos, loucos a dançar no meio da rua, ataques de amizade, heróis que não passam de desconhecidos. Sorria! Está a ser filmado.


segunda-feira, 11 de junho de 2012

Imigração & Emigração


Talvez possa parecer que sou anti Portugal, porque não vibro com o futebol e não defendo a seleção!? Errado. Todo eu sou portugalidade pois sempre vivi neste pais e faço conta em continuar aqui a viver e a prosperar, ao contrário daqueles, instigados ou não, que decidem mudar para outros países como que renegando uma vida portuguesa e evitando fazer um esforço para aqui se manterem.
Pensado e analisado o assunto, posso dizer que sou contra a imigração e a emigração, nisso concordo com a política francesa. Acho que devíamos limitar a entrada de estrangeiros, em nome dos postos de trabalho que fazem falta aos portugueses, mas a realidade é que não há qualquer relação entre a vinda de estrangeiros e a falta de emprego, pois todos sabemos que eles fazem o trabalho que os portugueses não querem fazer, porque os portugueses querem um emprego e não um trabalho! Quanto à emigração, renego os portugueses que desistem de tentar no nosso país e partem para fora a pensar que lá conseguem tudo e aqui não.
Há dias estava a dar uma reportagem TVI sobre jovens que neste momento, e a conselho dos nossos ministros, estão a emigrar. Uma delas, licenciada, ia para fora sem nada garantido, sem propostas nem contratos, ia à aventura e disposta a fazer tudo o que houvesse para fazer (minuto 17). Outra, licenciada também, começava a ponderar trabalhar numa área diferente da sua formação em psicologia, estando disposta a ir para a Suiça trabalhar num bar, já que lá poderia ganhar mais do que cá num trabalho na sua área (minuto 18). 
Então esta gentinhas cá não pode trabalhar num bar porque ganha menos, mas lá fora já pode fazer qualquer coisa, até lavar casas de banho!!! Isso de dizer que cá não arranjam nada e que lá fora é que é bom, é conversa de desistentes. Detesto detesto gente assim! Façam ou arranjem coisas para vender, criem os vossos pequenos negócios, procurem trabalhar por vossa conta em vez de esperar que o emprego caía do céu... Pelos vistos a opção mais fácil é fugir... Isto é o que chamo de quitters. 


Geração Adiada
Já lhe chamaram quase tudo. Geração à rasca, geração perdida, geração dos mil euros. Mas em Portugal, os jovens entre os 25 e os 34 anos não chegam a ganhar, em média, 800 euros por mês. Desempregados, empregados precários, jovens licenciados, doutorados, são a cara da geração mais qualificada de sempre. Vivem em casa dos pais. Saíram e voltaram porque não conseguiram pagar as contas. Adiam a constituição de família. Emigram porque dizem que este país nada tem para lhes oferecer. Mais do que os rostos de um país em crise, económica e de valores, eles são a cara de uma geração adiada. Até quando? «Geração Adiada» é uma grande reportagem de Filipe Mendonça, com imagem de Ricardo Ferreira e João Franco e montagem de Miguel Freitas para ver no Repórter TVI. 

domingo, 10 de junho de 2012

Futebol


Como já aqui expressei, não nutro grande simpatia por políticos, jornalistas, eclesiásticos e futebolistas, acho que enquanto o povo anda a passar dificuldades, estas quatro classes da sociedade andam a viver à grande e à francesa nas barbas do pessoal, que ainda por cima os aplaude.
Nesta coisa do euro, ficamos a saber que a seleção portuguesa vai ser a que vai gastar mais com a estadia, uns belos 33 mil euros por dia, enquanto que a mais poupada vai ser a seleção espanhola com uns singelos 4.700 euros diários. É bonito saber que é nisto que é usado o dinheiro que neste momento tanta falta faz ao país. É por isto e por outras que não visto a camisola, não gosto de futebol e acho que é um tremendo desperdício de tempo a atenção que os media e as pessoas em geral dão a esse desporto.
Não vos quero desiludir, mas parece-me que neste euro não vamos muito longe... e até acho que serve de lição, para ver se baixam a crista e caem na real. 

Imagem que circula pelo facebook, com a seguinte inscrição: "Fico contente em saber que há pelo menos uma pessoa em Portugal preocupada com o que realmente interessa..."

sábado, 9 de junho de 2012

Roupeiro


Abro as portas do meu closet... é aqui que guardo a maior parte das minhas roupas. Os armários podem estar cheios, mas no fim de contas, 20% destas roupas não têm uso, limitam-se a habitar o armário anos a fio porque não consigo desfazer-me delas, outros 20% são roupas que raramente uso e 60% são usadas repetidamente até á exaustão, daí que, ano após ano lá estou eu a vestir as mesmas coisas. Sim já aqui revelei que tenho roupas com 15anos e que estão ótimas, embora essas não use, gosto de guarda-las para recordação e tenho pena de já não ter algumas peças que hoje em dia seriam puro vintage.

Pormenor: com a mudança de estação, a paleta de cores muda também, embora os brancos permaneçam todo o ano.